1 de 151
2 de 151
3 de 151
4 de 151
5 de 151
6 de 151
7 de 151
8 de 151
9 de 151
10 de 151
11 de 151
12 de 151
13 de 151
14 de 151
15 de 151
16 de 151
17 de 151
18 de 151
19 de 151
20 de 151
21 de 151
22 de 151
23 de 151
24 de 151
25 de 151
26 de 151
27 de 151
28 de 151
29 de 151
30 de 151
31 de 151
32 de 151
33 de 151
34 de 151
35 de 151
36 de 151
37 de 151
38 de 151
39 de 151
40 de 151
41 de 151
42 de 151
43 de 151
44 de 151
45 de 151
46 de 151
47 de 151
48 de 151
49 de 151
50 de 151
51 de 151
52 de 151
53 de 151
54 de 151
55 de 151
56 de 151
57 de 151
58 de 151
59 de 151
60 de 151
61 de 151
62 de 151
63 de 151
64 de 151
65 de 151
66 de 151
67 de 151
68 de 151
69 de 151
70 de 151
71 de 151
72 de 151
73 de 151
74 de 151
75 de 151
76 de 151
77 de 151
78 de 151
79 de 151
80 de 151
81 de 151
82 de 151
83 de 151
84 de 151
85 de 151
86 de 151
87 de 151
88 de 151
89 de 151
90 de 151
91 de 151
92 de 151
93 de 151
94 de 151
95 de 151
96 de 151
97 de 151
98 de 151
99 de 151
100 de 151
101 de 151
102 de 151
103 de 151
104 de 151
105 de 151
106 de 151
107 de 151
108 de 151
109 de 151
110 de 151
111 de 151
112 de 151
113 de 151
114 de 151
115 de 151
116 de 151
117 de 151
118 de 151
119 de 151
120 de 151
121 de 151
122 de 151
123 de 151
124 de 151
125 de 151
126 de 151
127 de 151
128 de 151
129 de 151
130 de 151
131 de 151
132 de 151
133 de 151
134 de 151
135 de 151
136 de 151
137 de 151
138 de 151
139 de 151
140 de 151
141 de 151
142 de 151
143 de 151
144 de 151
145 de 151
146 de 151
147 de 151
148 de 151
149 de 151
150 de 151
151 de 151
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Sete montanhas, sete vestidos, sete anões,

sete cabritinhos, sete príncipes, sete mares,

sete luas, sete sapatinhos, sete princesas,

sete léguas, sete vales...

Sete Encontros Boca do Céu. Viva!

Apesar de no Brasil e no mundo estarmos passando por momentos difíceis e esta não ser exatamente uma época para comemorações, cada ser humano, em qualquer momento da História, em qualquer uma das vinte e quatro horas do seu dia, pode ter ocasião de celebrar algum vislumbre de vida. Por dentro da casca da existência o movimento de busca pelo que faz sentido é intenso, constante, caleidoscópico e incansável. Os contos tradicionais nasceram e vivem nesse lugar além das aparências. E desde 2001 são nossos convidados de honra no Boca do Céu. Viajam por abóbadas celestes e correntes submersas, chegam, se instalam, se entretecem e animam nossos dizeres. Acendem e fazem ascender nossos núcleos de entendimento.

No maravilhoso nos percebemos outros, “figurantes figuras, mas personagens personificantes”, como diz João Guimarães Rosa no conto Pirlimpsiquice. Importante no conto: o “um” não existe sem o “todos” e vice-versa. Sete vezes preparamos esse Encontro. A cada vez eu disse que não estaria no próximo ano, tamanha era a audácia do intento (digo no singular porque nunca ninguém da equipe me secundou nesse disparate). E seguimos juntos, como sempre, cada um de nós se fazendo de Pedro Malasartes, acendendo seu foguinho e propondo a vocês uma sopa de pedra. Sopa que vamos fazer e tomar juntos. Garantimos apenas que o imenso amor que nos reúne como equipe de trabalho providenciou a melhor lenha, o melhor caldeirão e a pedra mais bonita que cada um de nós foi capaz de encontrar. A sopa ficará pronta com os tesouros e sabores que cada um de vocês trará para dentro do caldeirão, claro. Especialmente com os aromas que vão aparecer com os contadores vindos pela nova ideia do Edital.

Nesse ano retomamos o Fórum, espaço aberto para situarmos questões fundamentais da Arte da Narração Oral. Afinal, com esse aumento avassalador de contadores de histórias em nosso país, o Boca do Céu torna-se também oportunidade urgente, entre tantas outras que estão surgindo no Brasil, para formulações a configurar propósitos, abordagens e repertórios, a semear perguntas, a incentivar pesquisas. Que nenhuma arte nunca se sustentou de exterioridades, mesmo que a “arte da sociedade da mercadoria” insista em nos contradizer.

Não é fácil, rápido, e muito menos se aprende em um final de semana. A arte de contar histórias tem a duração do pôr de sol de sete milhões de milênios. Para prová-la, sete vidas e um segundo.

No Boca do Céu são sete dias e uma manhã. Nada mais do que um instante. Nele podemos buscar encontros com seres humanos, que parecem estar desaparecendo do mundo como que por desencanto para dar voz aos que ocupam pateticamente as cadeiras de comando da terra do nunca. No instante dos contos tradicionais nos vestimos de seres humanos, com pompa e circunstância. Eles nos fazem recordar como podemos nos transformar no que podemos vir a ser pela memória do que a dignidade e a beleza sempre foram.

A Verdade nua e crua só conseguiu entrar no palácio do grande sultão quando se revestiu magnificamente com os adornos da Fábula. Com muita alegria, ainda que desabusada, lhes damos as boas-vindas ao palácio do Boca do Céu. Na terra do sempre.

Regina Machado - Curadora

CONVIDADOS

Brasileiros:
Adelsin (MG), Andréa Cozzi (PA), Caipirinhas e Caipirinhos (SP), Cristino Wapichana (RR), Daniel D’Andrea (SP), Daniel Munduruku (SP), Daniella D’Andrea (RJ), Emilie Andrade (SP), Fernanda de Paula (MG), Francisco Gregório (AC), Gabriel Levy (SP), Giba Pedroza (SP), Giuliano Tierno (SP), Goreth Albuquerque (CE), Gustavo Costa (RJ), Histórias Para Ver e Ouvir (SP), Ivani Magalhães (SP), Jerusa Pires Ferreira (BA-SP), Josiane Geroldi (SC), Kelly Orasi (SP), Lucilene Silva (SP), Luis Vicente Barros (RJ), Madalena Monteiro (SP), Mafuane Oliveira (SP), Marcela Carvalho (RJ), Marcelo Pretto (SP), Marina Abib (SP), Marina Pittier (RJ), Narração em Libras da Pinacoteca do Estado de São Paulo, Oca Escola Cultural (SP), Paulo Federal (SP), Paulo Freire (SP), Pedro Cesarino (SP), Rafael Morais – Teatro Griô (BA), Regina Alfaia (SP), Reginaldo Prandi (SP), Rita Nasser (SP), Simone de Lima (SP), Stance Dual School (SP), Tânia Soares – Teatro Griô (BA), Thomas Howard (SP), Valdeck de Garanhuns (PE), Vinícius Mazzon (PR), Vivian Catenacci (SP), Toninho Carrasqueira (SP).

 

Internacionais:
Bernadette Bricout (França), Carolina Rueda (Colômbia), Dominic Kelly (Inglaterra), Geeta Ramanujam (Índia), Itah Sadu (Canadá), Julia Klein (Alemanha), Lenna Bahule (Moçambique), Ludovic Souliman (França), Luis Esteban Galicia Leon (México), Mariana Fernández (Argentina), Michel Faubert (Canadá), Susana Amuchástegui (Argentina).

EQUIPE

Criação, Curadoria e Coordenação: Regina Machado

Produção e Comunicação: 3 Apitos Esporte + Cultura
Leonardo Marins e Tarsila Danieletto

Produção convidados internacionais: Ligia Farias-Cardon, Josias Padilha e Julia Grillo

Produção convidados nacionais: Danielle Barros e Fabiane Camargo

Projeto gráfico e cenografia do evento: Cocar Design (Alice Freire) + Helena Forghieri

Baixe a programação de 2016